segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Perfil Psicológico de um Assassino

O comportamento humano é o resultado de uma interacção de factores psico-sociais e biológicos.

Factores Psico-Sociais (maioria dos casos verificados)
-> As razões psicológicas são bastante influenciáveis nos actos praticados pelas pessoas.
-> Estes ‘ferimentos’ psicológicos podem ter origem em:
- Casos de decepção a nível relacionamental - São habitualmente seres solitários e incapazes de enfrentar uma perda ou um fracasso, onde um facto aparentemente sem importância desperta o mecanismo fatal em alguém socialmente isolado que quer enviar uma mensagem de revolta à sociedade.
-> A maneira com que se lida com o stress é de facto um princípio fundamental naquilo que toca aos diversos actos humanos.
-> Pessoas como as que estão em causa neste problema são por vezes menos toleráveis ou mais descontrolaveis/stressadas tornando-se seres deprimidos e agressivos, tomando atitudes e comportamentos depreciativos.

Factores Biológicos
-> Podem-se relacionar as imagens cerebrais à história pessoal de um assassino, pois ao longo de diversos estudos foi-se comprovando que existem substratos de doença cerebral presente em criminosos violentos.
-> Verificando-se desde já que muitos destes seres:
- tinham sido submetidos a algum trauma psíquico, abuso físico ou sexual, abandono e pobreza.
-> Assassinos vítimas de maus tratos no passado tinham crescido e evoluído com défices mais elevados na área órbito-frontal do cérebro.
-> Estas patologias a nível cerebral podem desencadear problemas como:
-Impulsividade, perda de auto-controle, incapacidade para modificar estes comportamentos, acabando por desenvolver uma personalidade anti-social.
-> Assassinos confessos possuíam diagnósticos neurológicos específicos, como:
-esquizofrenia, depressão, retardamento mental, paralisia cerebral...


Perfil psicopatológico

M
uitos dos assassinos sentenciados aparentavam ser: - cidadãos respeitados, atraentes, bem sucedidos, membros activos na sociedade... até que os seus crimes foram descobertos.
Temos explícitos diversos exemplos, como os seguintes:
-Andrei Romanovich Chikatilo: culpa a sua infância sofrida com o regime soviético. Era considerado anteriormente um “homem perfeitamente inserido na sociedade”.
-Jeffrey Lionel Dahmer: Havia sido vítima de bullying por um vizinho aos oito anos e os seus pais tinham frequentemente confusões após a separação. Tinha um padrão de comportamento exibicionista. Na sua mente doentia, estabeleceu a ideia de criar cadáveres que seriam os seus brinquedos sexuais vivos.
-John Wayne Gacy Jr: O seu pai era alcoólico. Tinha comportamentos lamentáveis com ele espancando-o brutalmente e chamando-o de rapariga estúpida e inútil, o que o fez crescer com a dúvida da sua masculinidade. Durante a sua vida formou-se em administração e chegou a casar-se por duas vezes antes de se tornar um assassino.

Sem comentários:

Enviar um comentário